NONI - O FRUTO INSULAR

O fruto tropical de 101 aplicações medicinais.

https://brasilianoni.blogspot.com/2010/10/noni-o-fruto-sagrado-da-polinesia.html​

NONI

(Morinda citrifolia L.)

 

FRUTO INSULAR

 

Neil Solomon, M.D., Ph.D.

Autor da lista dos mais vendidos do New York Times

Ex-Colunista sobre saúde do Jornal Los Angeles Times

Ex-Colunista sobre saúde da CNN-TV

Diretor de Saúde e Higiene Mental de Maryland

Médico diplomado pelo Hospital Johns Hopkins

Presidente da ONG da ONU, Centro de Pesquisa sobre Saúde e Ciência.

 

Dedico este livro a minha querida e adorada esposa, Frema.

 

© 1999

Direct Source Publishing

500 S. Geneva RD

Vineyard, Utah

84058

 

A informação contida neste livro tem um fim exclusivamente educativo e não é

recomendada como meio de diagnóstico nem tratamento de doenças. Qualquer

problema de saúde física ou mental deve ser supervisionado por um profissional

da saúde com experiência específica no tratamento da afecção apresentada.

Nem a editora nem o autor oferecem assessoramento médico direto ou

indireto, tampouco receitam medicamentos, nem assumem responsabilidade

por aqueles que decidam se automedicar.

A informação contida neste livro está baseada nas propriedades nutracêuticas

do Noni. (TAHITIAN NONI®)

 

 

Conteúdo

 

Prefácio ..................................................................................... 4

Introdução ................................................................................. 5

As maravilhas do Noni para a saúde .............................................. 6

Usos principais do Noni ................................................................ 9

Ingredientes ativos do Noni ........................................................ 20

A relação Proxeronina-Xeronina-Noni ........................................... 21

Quanto de Suco de Noni deve-se tomar ? ..................................... 28

Resumo ................................................................................... 31

Agradecimentos ........................................................................ 33

Referências bibliográficas ........................................................... 34

Palavras sobre o autor ............................................................... 36

Considerações adicionais ............................................................ 38

 

 

 

Prefácio

 

Desde 1997, venho pesquisando sobre a evidência científica e

sobre os campos de estudo relacionados à fruta insular Noni, a fim de

desvelar os seus segredos como um agente medicinal. Registrei muitas

horas que passei desvendando estudos de casos e relatórios de médicos

e outros especialistas, e também analisei relatórios advindos de

uma gama de experiências clínicas. Além disso, entrevistei mais de 50

médicos e outros profissionais de saúde que coletivamente possuíam

informação representativa de mais de 10.000 pessoas que tinham

usado ou estavam usando o Noni.

Enquanto recolhia os dados, uma das perguntas que eu me repetia

constantemente era : “Como é possível que o suco de Noni

tenha ajudado a tanta gente com tantos problemas de saúde

diferentes? Qual seria o segredo?”. Cheguei à conclusão de que

não ajuda a todo o mundo e não resolve todos os problemas de saúde.

No entanto, uma média de 78 por cento de mais de 10.000 pessoas

que vêm usando o Noni, têm se beneficiado de alguma forma, inclusive

no combate ao câncer, doenças cardíacas, desordens digestivas, diabetes,

transtornos auto-imunológicos, infartos e problemas de peso,

pele e cabelo. Este livreto apresenta um panorama das minhas descobertas.

 

 

 

Introdução

 

Noni (Morinda citrifolia L.) é uma fruta de extraordinárias propriedades

curativas da qual a maioria dos norte-americanos nunca ouviu

falar. Há mais de 2.000 anos tem sido usado com sucesso na Polinésia,

China, Índia e outros lugares. O Noni migrou com os habitantes dessas

regiões para as ilhas do Pacífico Sul, Taiti, Havaí e Malásia, – e prolifera

melhor em qualquer parte onde existia um solo vulcânico sem poluição.

Ficou demonstrado que assim como a babosa (aloe vera), as algas marinhas,

o mamão, o PycnogenolMR e outros agentes botânicos, o extrato

de Noni auxilia na melhora de uma enorme gama de enfermidades.

Para a sua utilização nos Estados Unidos, o fruto do Noni já vem

preparado como suplemento nutritivo, em forma de suco. Apesar da

fruta ter um sabor muito amargo e cheiro pouco atraente, como suplemento

nutritivo, o Noni é muito gostoso ao paladar e ao olfato porque

contêm uma adição de suco natural de uva e blueberry, uma mistura

especial formulada por dois reconhecidos químicos da área nutricional,

Stephen Story e John Wadsworth.

 

 

 

As maravilhas do Noni para a Saúde

 

As pesquisas ressaltam que o Noni reforça o sistema imunológico

regulando a função celular e a regeneração das células danificadas.

O fato de que o Noni atua no nível celular mais básico e fundamental

pode explicar porque serve para uma grande variedade de afecções.

O Dr. Richard Dicks, médico clínico de New Jersey, nos diz: “Estamos

começando a perceber que devemos retornar ao básico no que

diz respeito aos nossos corpos. Em outras palavras, ou se reduz a

queima dos nutrientes ou se destrói o próprio corpo. O Noni salva o

nosso corpo porque lhe proporciona os nutrientes que lhe são necessários”.

O corpo se cura a si mesmo!

De fato, o Noni possui mais de cem aplicações primárias e secundárias.

Este livro se concentrará unicamente em seus usos primários.

O Noni é uma planta medicinal de incalculável valor, dadas às funções

abaixo descritas, e que serão discutidas mais adiante com maiores

detalhes:

• Reduz a hipertensão arterial.

• Interage com a melatonina e a serotonina ajudando a regular

o sono, a temperatura e os estados de ânimo.

• Aumenta a energia do organismo.

• Atua como agente anti-inflamatório e anti-histamínico.

• Alivia a dor.

• Possui propriedades anti-bacterianas que podem proteger

contra transtornos digestivos.

• Inibe a função pré-cancerígena e o crescimento de tumores

cancerosos.

 

 

TABELA 1 – Melhora da saúde das pessoas que tomaram Noni

(n > 10.000)

Afecção, condição

 

Número de

pessoas que

ingeriram Noni

para combater

enfermidades

% das pessoas

que melhoraram

(*)

Alergia 948 84% xeronina

Alerta e agudez mental, aumentou 2.983 72% xeronina

Artrite, diminuiu sintomas 719 81% terpeno

Câncer, diminuiu sintomas 889 65% xeronina

Depressão, diminuiu 807 77% xeronina

Desenvolvimento de massa muscular 816 71% proteína

Desordens digestivas, melhorou 1.593 89% xeronina

Diabete, Tipo 1 e 2 2.773 84% escopoletina

Dificuldades de concentração, superou 2.983 72% xeronina

Dores (incluindo de cabeça), diminuíram 4.231 88% xeronina

Enfermidades cardíacas, melhorou 1.123 80% xeronina

Estresse, ajudou a lidar com 4.113 72% xeronina

Falta de energia, melhorou 8.327 92% xeronina

Funções renais, melhorou 2.372 67% xeronina

Hipertensão arterial 938 85% xeronina

Infarto 1.019 57% escopoletina

Problemas respiratórios 2.727 78% xeronina

Obesidade, perdeu peso 2.841 75% xeronina

Problemas respiratórios, melhorou 2.854 77% xeronina

Rejuvenescimento 148 78% terpeno

Sentimento de bem-estar, aumentou 4.561 80% xeronina

Sexual, melhoria da vida 1.608 87% xeronina

Tabagismo, acabou dependência 452 58% xeronina

Transtornos do sono, melhorou 1.231 73% xeronina

(*) Porcentagem combinada de pessoas que experimentaram melhora objetiva / subjetiva

dos seus sintomas após tomar Noni. A maioria das pessoas que usaram o Noni sem

obter resultados satisfatórios, tomaram uma dose menor ou por menos tempo que o

recomendado na TABELA 5 (Veja na página 99).

 

 

TABELA 1 contém a análise estatística dos dados, incluindo

as aplicações primárias e secundárias que obtive na entrevista de mais

de 50 médicos e outros profissionais da área da saúde que tomaram

Noni e/ou administraram o suco para mais de 10.000 pacientes.

A tabela mostra o número de pessoas que tomaram Noni para

23 enfermidades diferentes, a porcentagem dos que atingiram resultados

positivos, e o componente ativo principal (CAP) supostamente responsável

pela melhoria. Acredito que embora o CAP seja o elemento

relevante, é a combinação total de todos os componentes do Noni que

resulta nos excelentes benefícios de saúde que ele traz.

NOTA: O Tahitian Noni® pode ser ingerido juntamente com

qualquer outro medicamento, sem produzir nenhuma interação negativa.

Em alguns casos, o Noni pode até fazer com que outros medicamentos

atuem com maior eficiência. Convém que o seu médico saiba

que você está tomando Noni, pois é possível que venha diminuir a dosagem

do remédio prescrito. Muito freqüentemente isto contribui para

a redução dos efeitos colaterais do medicamento inicial.

Os efeitos colaterais apontados foram mínimos. Menos de 3%

de usuários apresentou flatulência estomacal leve, fezes soltas, reações

alérgicas, ou leve erupção cutânea. A flatulência desapareceu com a

diminuição da dosagem. A erupção cutânea e as fezes soltas desapareceram

em 72 horas após interrupção do tratamento. Verificou-se que o

Noni é inofensivo para as mulheres grávidas e/ ou em período de lactância.

 

 

Usos principais do Noni

 

O Dr. Steven Hall, do estado de Washington, outro médico a

quem entrevistei a respeito do suco, diz: “O Noni não só oferece muitos

benefícios próprios como também aumenta a eficácia de outros

medicamentos”. Ele acredita que: “O Noni é incrível, pois ajuda pessoas

a quem a ciência médica tradicional não conseguiu ajudar”.

A sua eficácia crescente e seu uso como tratamento alternativo

para a dependência às drogas são duas razões que fazem do Noni uma

planta tão valiosa. Os resultados obtidos por Dr. Hall coincidem com a

resposta positiva anteriormente demonstrada por 78% das pessoas

que tomaram Noni. O Noni reúne também as características seguintes:

• O Noni atua sinergicamente com outros suplementos

nutricionais e/ou medicamentos.

• O Noni provavelmente contribui para a prevenção e funciona

otimamente em conjunção com outros antioxidantes.

• O Noni auxilia os animais a se curarem mais rapidamente.

O Dr. Schechter, diretor do Instituto de Medicina Natural da Califórnia,

relata que existe uma extensa informação que confirma os benefícios

para a saúde atribuídos ao Noni e suas aplicações tradicionais. O seu

trabalho sustenta aquilo que os Kahunas (tradicionais curandeiros do

Havaí) sabiam e utilizaram forma benéfica durante milhares de anos.

Ele confirmou numa entrevista que os resultados positivos obtidos por

médicos clínicos que usam Noni coincidem com os resultados

alcançados por clínicos que aplicam a medicina natural. O Dr.

Schechter tem tratado centenas de pacientes com Noni e ficou impressionado

com a variedade de doenças que responderam positivamente

ao Noni.

À seguir, apresento o resumo de algumas informações importantes

das pesquisas clínicas do Dr. Schechter:

• O Noni estimula a produção de linfócito T do sistema

imunológico. As células T desempenham um papel central no

combate às doenças.

• O Noni atua fortalecendo a função do sistema imunológico

incluindo a produção de macrófagos e/ou linfócitos que

constituem um componente vital das defesas naturais do organismo.

• O Noni combate muitos tipos de bactérias.

• O Noni tem efeitos únicos contra as dores.

• O Noni inibe a função pré-cancerígena e o crescimento de

tumores malignos, permitindo que as células anormais funcionem

com normalidade.

O Dr. Schechter diz: “Como terapeuta clínico, verifiquei que o

Noni produz benefícios terapêuticos significativos, mesmo profundos,

tanto de prevenção como de auto-ajuda para uma extensa gama de

problemas de saúde”.

Com a lista do Dr. Schechter e com a informação oferecida pelos

outros profissionais com os quais me comuniquei, consegui determinar

as principais categorias de usos do Noni, descritas a seguir.

Apesar de que o Noni tem muitas outras aplicações valiosas, como demonstram

os gráficos, somente incluí os que estão mais bem

respaldados por documentação.

 

HIPERTENSÃO ARTERIAL

 

Em 1992, a Dra. Isabelle Abbot, reconhecida especialista em

botânica, notou que entre as aplicações mais comuns do Noni achavase

o controle do diabetes, hipertensão e câncer. Revisei a literatura a

procura dos fito-nutrientes, ou nutrientes com propriedades curativas,

presentes no Noni que pudessem ajudar a diminuir a pressão arterial. A

escopoletina, um dos fito-nutrientes entre os componentes do Noni,

dilata os vasos sanguíneos previamente contraídos. Isto significa que o

coração não tem que trabalhar em excesso para bombear o sangue

pelos vasos contraídos (estreitos). Como resultado, a pressão arterial

normaliza e o coração se desgasta e sofre menos.

A escopoletina contida no Noni foi isolada pela primeira vez em

1993 pelos pesquisadores da Universidade do Hawaí. Acredita-se que,

além de dilatar os vasos sanguíneos, a escopoletina também se junte à

serotonina.

Os estudos realizados com animais demonstraram que a escopoletina

pode diminuir tanto a pressão arterial normal como a alta para

níveis de hipotensão (pressão arterial baixa anormal). No caso do Noni,

entretanto, a escopoletina interage sinergicamente com outros nutracêuticos

(nutrientes que atuam como agentes medicinais) trazendo a

pressão arterial alta para o nível normal, mas não para um nível inferior

ao normal. Não se observou que ela possa reduzir a pressão arterial

normal ao nível de hipotensão.

Mais recentemente, o Noni tem sido objeto de estudos nos Estados

Unidos, na Universidade de Stanford, na Universidade de Califórnia

em Los Angeles (UCLA) e na Universidade do Hawaí; na Inglaterra,

no Union College de Londres; e na França, na Universidade de Metz.

Todos os que estudaram concordam que na maioria dos casos, o Noni

desempenha um papel na redução da hipertensão arterial.

Entrevistei um médico de New York, o doutor Scott Gerson,

que tinha levado a cabo uma prova clínica com placebo como controle,

para avaliar o suco do Noni como redutor da pressão arterial alta. Durante

14 semanas o Dr. Gerson estudou nove pacientes, seis do sexo

masculino e três do sexo feminino. Os pacientes hipertensos foram

selecionados aleatoriamente e não souberam que estavam ingerindo

Noni. Seguiram a mesma dieta e realizaram a mesma quantidade de

exercícios que faziam antes de começar o tratamento com Noni. Em

oito dos nove pacientes a pressão arterial diminuiu. Na média, sua

pressão arterial sistólica (máxima) diminuiu em 7,5% e a diastólica

(mínima) em 4%.

O Dr. Gerson foi o primeiro a apontar que esta foi apenas uma

pequena prova clínica e não um superexperimento científico. No entanto,

os descobrimentos foram similares na maior parte das pessoas

que tomaram Noni. Nenhum médico me disse que o Noni fizesse baixar

a pressão arterial abaixo do normal, e todos confirmaram que os efeitos

colaterais eram mínimos e quase inexistentes. As pessoas que tomaram

Noni disseram que quando deixavam de toma-lo a pressão arterial

lhes subia novamente e que descia ao normal ou quase normal

logo que retomavam o regime com Noni como suplemento.

A Dra. Monica Harrison, médica geral de Maryland, também informou

que o Noni melhora a pressão arterial. Num dos casos, a pressão

arterial de uma paciente era 170/100 e os médicos não conseguiam

baixá-la. Depois de dois meses tomando Noni, a pressão da paciente

baixou ao nível normal de 130/80. Ela continuou tomando Noni e

sua pressão arterial tem-se mantido normal durante mais de 9 meses.

 

ENERGIA CORPORAL E ESTADOS DE ÂNIMO

 

Além da relação Noni-Escopoletina-Serotonina, a Dra.Harrison

considera que muitos dos resultados positivos do Noni devem-se ao

fato de ele produzir uma melhora da atividade da glândula pineal, localizada

na profundeza do cérebro. Esta importante glândula é um dos

locais onde a serotonina é produzida para logo ser utilizada na produção

de outro hormônio, a melatonina. A serotonina e a melatonina ajudam

a regular o sono, a temperatura, os estados animo, a puberdade e

os ciclos ovulação. A Dra.Harrison supõe que o Noni talvez possa atuar,

em parte, na modificação da freqüência da energia corporal.

Além disso, a Dra. Harrison acredita que as modulações da freqüência

da energia corporal podem estar sujeitas a alguns dos efeitos

positivos do suco do Noni. O Noni estabiliza o nível do açúcar no sangue,

reduz as dores menstruais e, no homem diminui a necessidade de

urinar durante a noite por reduzir o inchaço da próstata.

O Dr. Ralph Heinicke, reconhecido pesquisador internacional,

uma autoridade nos estudos do sistema da xeronina há mais de quarenta

anos, acredita que o suco de Noni ajuda o corpo a curar-se porque

lhe fornece grandes quantidades de proxeronina que pode ser

sintetizada como alcalóide denominado xeronina. Além disso, considera

que uma das muitas funções do alcalóide xeronina é que seu acúmulo

se verifica num local adjacente ao da absorção da endorfina e atua

como co-hormônio coadjuvante que ativar a proteína receptora do

“sentir-se bem”. Em conseqüência, a maioria das pessoas passa a sentir-

se melhor e com mais energia depois de tomar Noni.

“Nosso estudo, de mais de 10.000 casos, demonstrou que depois

de tomar Noni, 80 por cento apresentou uma maior sensação de

bem-estar. Não causa surpresa, então, que as pessoas que sofrem

problemas de saúde necessitam de maior quantidade de proxeronina e,

por conseguinte, tomem mais Noni.”

Donovon Lazar, banqueiro e investidor de Scotts Valley, Califórnia,

diz: “Acrescentei Noni ao meu regime de suplementos e meu

tempo de recuperação melhorou consideravelmente. Já não me sinto

tão cansado depois de uma extenuante sessão de exercícios. A vitalidade

natural que sinto quando tomo Noni me permite render muito

mais e é incrível como já não sinto mais fadiga depois que comecei a

usar esse suco. Não deixo de contar a todo mundo o que sei deste

maravilhoso fruto.”

 

ANTI-INFLAMATÓRIO E ANTI-HISTAMÍNICO

 

Já dissemos como o Noni, que contém o ingrediente escopoletina,

ajudou aos pacientes da Dra. Harrison a controlar a pressão arterial

alta. Ele também é eficaz como agente anti-inflamatório e antihistamínico.

A literatura médica contém numerosos relatórios dos êxitos

no tratamento da artrite, da bursite, da síndrome do túnel do carpo

e das alergias com o uso da escopoletina. Isto é demonstrado pelo Dr.

Bloss, o cirurgião ortopédico de Indiana, o qual descreve sua experiência

pessoal com o Noni:

• “Antes de usar o Noni nas minhas consultas, fiz a prova em

mim mesmo e foi um êxito. Não podia dormir de barriga

para baixo porque sofria de dor nas costas. O Noni não somente

me eliminou este sofrimento, mas também me aliviou

a dor no ombro esquerdo. Com o Noni aumentou também

o meu nível de energia. Nas quadras de tênis, meus

companheiros notaram que o meu tempo de reação é muito

mais rápido. Desde então, tenho usado o Noni em 70 dos

meus pacientes aproximadamente. Quinze deles que sofriam

de dor crônica nas costas descobriram que com o Noni a

dor se aliviava de forma considerável. Outros oito pacientes

sofriam de dores nos joelhos causadas por osteoartrite até

que, com o uso do Noni, praticamente as dores desapareceram.”

Três dos pacientes asmáticos do Dr. Bloss experimentaram melhoras

significativas da tosse asmática depois de tomar Noni. Em especial,

ele notou como melhorava a vida dos pacientes artríticos. Muitos

deles mostraram resultados positivos importantes. Duas pessoas, entre

as quais um paciente médico, telefonaram para dizer que o Noni quase

fazia desaparecer a rigidez das suas mãos em 24 horas.

O Dr. Bloss anunciou que se mostrou eficaz na maior parte dos

seus pacientes. Oferecendo-o como suplemento nutritivo, não como

medicamento, muitos dos pacientes decidem prová-lo. Nosso estudo

indica que 69 por cento das pessoas que tomaram Noni não só continuaram

o seu consumo como também manifestaram que não deixariam

de usá-lo. O Dr. Bloss resume o Noni desta forma: “O Noni melhorou

não só a minha própria vida senão a vida de muitos dos meus

pacientes”. Outros médicos informam ter tratado com êxito pacientes

com “problemas inflamatórios como artrite, tendinite, bursite e tunel

do carpo”.

Uma paciente que sofria de artrite degenerativa mostrou resultados

positivos depois de tomar Noni. Tinha sofrido dores durante

quase 20 anos. Tinha sido submetida a enxertos nos joelhos em 1990,

sem solucionar o problema. Tinha que andar de bengala e tinha dificuldade

em colocar-se de pé quando estava sentada, sobretudo ao tratarse

de um sofá macio. Após estar tomando Noni por 72 horas pode levantar-

se do sofá e atravessar quase toda a sala sem ajuda da bengala

e sem dor. Esta paciente acredita que o Noni a ajudou pois foi a única

variável que mudou em seu estilo de vida. Os médicos e outros profissionais

da saúde que foram entrevistados consideram que o Noni tem

ajudado a 80 por cento dos seus pacientes artríticos.

Ainda mais surpreendente é o caso do Dr. Gary Tran, médico

veterinário de Kentucky, que tratou centenas de cães, gatos e outros

animais que sofriam de artrite e descobriu que o Noni era eficaz em

mais de 90 por cento deles. A dose recomendada para os animais com

menos de 45 quilos, a dose recomendada é a mesma prescrita para

adultos na Tabela 5.

 

DORES

 

Já se aceitou que um dos principais benefícios do Noni do Tahiti

é que alivia a maior parte dos tipos de dor. Desde os curandeiros da

medicina oriental do sudoeste da Ásia, passando pelos Kahunas havaianos

e até os investigadores modernos de hoje, como o Dr. Ralph

Heinicke e os neuropatas clínicos como o Dr. Steve Schechter, todos

concordam em que o Noni pode aliviar a dor. Os kahunas acreditam na

combinação do Noni com a oração.

Mas não se chegou facilmente a um acordo sobre a forma que

o Noni atua para aliviar a dor. Surgiram diversas teorias sobre o assunto.

O Dr. Heinicke pensa que o alívio da dor é provocado pela xeronina.

Para o Dr. Schechter, o Noni permite que o corpo se cure a sí

mesmo aliviando dessa forma a dor. Quem está certo? Suponho que

ambos. E tenho a suspeita de que existem talvez outras substâncias

desconhecidas no Noni que contribuem sinergicamente para o alívio da

dor.

E qual é a opinião da ciência sobre o alívio da dor atribuído ao

Noni? Assevera-se que a xeronina, ingrediente principal do Noni, tem a

capacidade de contribuir para a normalização de qualquer irregularidade

da função protéica e sua subseqüente função celular, inclusive a

função cerebral onde se origina a dor.

O Dr. Heinicke recolheu informações que concorda com o descobrimento

de que a xeronina ocupa uma posição adjacente aos receptores

da endorfina.

Qualquer que seja a razão, os médicos e outros profissionais da

saúde entrevistados acham que o Noni ajudou 88 por cento dos pacientes

que sofriam de dores. Em 1990, Chfique Younos informou que o

Dr. Joseph Betz, químico investigador da Divisão de Produtos Naturais

do Centro de Segurança Alimentícia e Nutrição Aplicada da FDA, tinha

manifestado que a raiz de Noni “possui propriedades tranqüilizantes e

aniquilantes da dor”.

Em maio de 1995, ao ser convidado como orador de ordem do

segundo Simposium Internacional sobre PycnogenolMR em Biarritz,

França, tive conhecimento de que no Laboratório de Farmacognosia da

Universidade de Metz na França fôra descoberto que o Noni tem o

efeito analgésico preponderante. Em poucas palavras, disseram-me

que o efeito que o Noni tem sobre o cérebro é o que alivia a dor em

todo o corpo. O Noni resultou 75% tão eficaz como o sulfato de morfina

para o alívio da dor. Além disso, o Noni não provoca dependência.

Segundo o Dr. Schechter, o Noni tem sido usado contra a dor há

muito tempo, com êxito e segurança. De fato, dois dos nomes que o

Noni tem recebido tradicionalmente foram “a árvore que tira a dor” e

“a árvore para a dor de cabeça”. O Dr. Schechter tem ministrado Noni

um grande número de pacientes que sofriam de dor crônica ocasionada

por diferentes razões. Quando o entrevistei, falou-me da quantidade de

estudos de casos de pessoas nos Estados Unidos que usaram o Noni

com sucesso no alívio da dor.

Então, surge uma pergunta: O Noni pode reduzir a dor sem que

cause efeitos tóxicos colaterais ou dependências? Em 1990, os investigadores

descobriram que “a administração do extrato de Noni produz

uma significativa atividade analgésica nos ratos, na proporção da dose

administrada”. Analgésico é uma substância que reduz ou elimina a

dor. E acrescentaram os investigadores: “O extrato de Noni não apresentou

nenhum efeito tóxico”. É bem documentado o fato de que o

Noni não causa dependência.

 

SISTEMA DIGESTIVO E PROBLEMAS CARDÍACOS

 

Em relatórios científicos publicados no ano de 1950, que apareceram

no Pacific Science Journal, ficou demonstrado que o Noni tem

propriedades antibacterianas que podem proteger contra as doenças do

coração e do aparelho digestivo.

O Dr. Gerson revisou e apresentou informação convincente sugerindo

claramente que as diferentes antraquinonas, (as mais amargas)

encontradas no Noni têm sido utilizadas eficazmente durante anos

contra as doenças cardíacas provocadas pela bactéria do Staphylococcus,

assim como contra a desinteira causada pela Shegella.

As antraquinonas do Noni estimulam as atividades de todo o

aparelho digestivo aumentando o fluxo da bílis, secreções e as tão necessárias

enzimas. As antraquinonas também são efetivas no alívio da

dor e como suplemento no tratamento do câncer. Um estudo de mais

de 10.000 pessoas que consomem Noni revelou que 89 por cento sentiu

alívio dos seus problemas digestivos e 80 por cento sentiu alívio

sintomático da sua doença cardíaca.

Talvez a serotonina desempenhe alguma função no efeito positivo

que o Noni provoca na digestão. Existem receptores da serotonina

em todo o corpo, assim como no cérebro. Contudo, a maior parte dos

receptores da serotonina não se concentra no cérebro e sim no intestino

delgado. A Dra. Harrison informou de muitos casos nos quais o

Noni melhorou a digestão.

O Dr. Robert Young, microbiologista de Utah, descobriu que os

fungos e o mofo da levedura, junto com suas toxinas, fazem as células

se tornar doentes ao aumentar a acidez no interior. Também se informou

que o Noni auxilia a equilibrar o PH celular ou a acidez do organismo,

o que aumenta nossa capacidade de melhor absorver as vitaminas,

minerais e proteínas.

 

CÂNCER

 

É provável que a sinergia dos múltiplos fitonutrientes do Noni

atue como um adaptógeno, substância nutritiva que ajuda as células

anormais (“células doentes”) a funcionar com mais normalidade. Durante

as 83ª e 84ª e 85ª reuniões anuais da Associação Norte-Americana

de Pesquisas sobre o Câncer foram apresentadas importantes

pesquisas sobre o uso do Noni.

Na 83ª. reunião realizada em San Diego, Califórnia, em 1992,

um trabalho que fez história na matéria foi apresentado pelos pesquisadores

dos Departamentos de Patologia e Farmácia da Faculdade de

Medicina de John Burns de Honolulu, Havaí. Posteriormente, os achados

foram resumidos no Relatório da Associação Norte-Americana de

Pesquisas Sobre o Câncer com o título: “Atividade anti-tumorosa da

morinda citrifolia em ratos implantados intraperitonealmente com carcinoma

pulmonar de Lewis.”

Em simples termos, isto significa que o Noni tem efeito anticancerígeno

quando as células cancerosas se implantam na cavidade

abdominal. Os ratos alimentados com o fruto do Noni puderam viver

105-123% mais que os animais que não o receberam, e 40% daqueles

alimentados com o Noni viveram 50 dias ou mais. Este estudo foi repetido

várias vezes, demonstrando cada vez o fruto do Noni prolongava

a vida dos ratos com câncer em contraste com a dos ratos cancerosos

que não comiam Noni. Possivelmente, o fruto do Noni iniba o crescimento

de tumor. O tempo de supervivência aumentou em média 119%

depois da administração do Noni. E esse tempo de sobrevivência aumentou

ainda mais quando se administrava Noni juntamente com um

medicamento anticancerígeno conhecido como a adriamicina, o 5-

fluouracil (5FU) ou a vincristina.

Mais especificamente, Câncer Letters (Boletins sobre o câncer)

informou que a Universidade de Keio e o Instituto de Ciências Biomédicas

do Japão afirmam ter isolado um novo composto do Noni denominado

damnacantal. O trabalho foi realizado em Yokohama, Japão, utilizando-

se em placa de petri e não no corpo humano. Falando como

leigo, o Noni pode ter convertido as células cancerosas outra vez em

células normais, sãs e funcionais, retardando a multiplicação celular no

nível genético.

Em 1994, Anne Hirazumi e três dos seus colegas publicaram no

Pharmacological Society Journal (revista da Sociedade Farmacológica),

o estudo entitulado “A atividade anticancerígena do Noni em ratos com

câncer do pulmão.” Um ano antes, depois de analisar mais de 500 extratos

vegetais diferentes, Tomonori Hiramatsu e outros três pesquisadores

japoneses tinham informado em Cancer Letters que o fitonutriente

damnacantal encontrado no Noni surgia como um novo inibidor de

algumas células pré-cancerígenas.

Uma das pacientes da Dra. Harrison, que sofria de câncer do fígado,

tinha sofrido uma dilatação no abdômen por excesso de fluido.

Após aspirar-lhe o fluido abdominal o seu oncologista descobriu células

cancerosas. Depois de sete dias ingerindo Noni, a dilatação abdominal

da paciente diminuiu de maneira considerável. Em novo exame do

fluido abdominal não foram observadas células cancerosas.

Como médico, eu não consigo imaginar como isso possa ser

possível. Então contatei novamente a Dra. Harrison que me confirmou

que foi justamente assim que aconteceu. Não encontro explicações, a

não ser pelo suco de Noni e a intervenção divina.

Em vista dos descobrimentos recentemente publicados sobre os

experimentos que o Dr. Judah Folkman realizou com ratos, em Harvard,

é possível afirmar que o Noni atue sinergia com outros micronutrientes

que reduzem a irrigação sanguínea nos tumores.

Fala-se de um mecanismo similar do óleo do fígado de tubarão.

Observou-se que um dos seus elementos, a esqualamina, controla o

crescimento dos tumores cerebrais e prolonga a vida dos ratos experimentais

ao destruir os vasos sanguíneos que irrigam o tumor. Este

descobrimento científico foi publicado em 1997 pelo Dr. Henry Brem,

professor de neurocirurgia das Instituições Médicas de Johns Hopkins.

Nesse mesmo ano, na reunião da Associação Norte-Americana de

Neurocirurgiões, celebrada em Minneapolis, Minnesota, o Dr. Henry

Brem e o Dr. Alan Sills anunciaram que a esqualamina “ataca os tumores

ao impedir a formação de novos vasos sanguíneos”, os quais, se

presentes, alimentariam o tumor, possibilitando o seu crescimento.

 

 

Ingredientes ativos do Noni

 

O Dr. Heinicke pensa que o Noni ajuda a normalizar o funcionamento

celular anormal ao fornecer ao organismo proxeronina, composto

bioquímico essencial que logo é convertido pelas células num

alcalóide chamado xeronina. Os efeitos positivos que a xeronina tem

nas células fazem com que a maioria das pessoas se sinta melhor. Entender

a forma como o organismo fabrica xeronina (biosíntese) é essencial

para entender a ação do Tahitian Noni.

Nos anos cinqüenta, no Instituto de Estudos sobre o Abacaxi, o

Dr. Heinicke isolou um material cristalino que não pertencia a nenhum

componente bioquímico convencional. Anos mais tarde, ele percebeu

que esse material cristalino era fundamental para a síntese do alcalóide

xeronina. Também observou que a concentração deste material na

planta do abacaxi tinha-se reduzido muito através dos anos devido à

poluição e a falta de micronutrientes nos solos. Hoje em dia, o fruto do

Noni, num grau bem maior, constitui a melhor fonte deste ingrediente

tão vital.

O Dr. Heinicke considera que a xeronina desempenha duas funções

principais nas células. Por sua rígida estrutura, como a de uma

viga, constitui um ponto de apoio quando se situa nas últimas porções

de certas proteínas específicas. Essas proteínas podem se tornar mais

flexíveis e, ao mesmo tempo, mais fortes em estrutura. A xeronina

permite a uma proteína concentrar uma tremenda quantidade de energia

contida no líquido corpóreo para realizar vários tipos de operação

mecânicas, químicas ou elétricas. Estas funções permitem à célula

normal operar eficientemente e podem ajudar a reparar a deficiência

de uma célula afetada.

 

 

A relação Proxeronina-Xeronina-Noni

 

A substância mais promissora encontrada no suco de Noni é a

proxeronina, que no organismo se converte em xeronina, composto

bioquímico fundamental que intervém numa ampla série de reações

bioquímicas normais do corpo humano. Nas partes inflamadas, a proxeronina

escorre dos vasos capilares sanguíneos permitindo às células

produzirem xeronina. A xeronina provavelmente impede que os péptidos

produtores da inflamação se amalgamem às proteínas específicas.

Evidentemente, isto reduz a magnitude da inflamação, inchaço e dor.

Os elementos fundamentais relacionados com a biosíntese da

xeronina em nosso organismo são a proxeronina, a proxeronase – enzima

necessária para a biosíntese da xeronina -- e a serotonina. Nosso

organismo contém todos eles, mas a proxeronina existe em quantidade

limitada. O Dr. Heinicke acha que a biosíntese da xeronina ocorre da

seguinte forma:

• Em circunstâncias normais, o fígado acumula proxeronina.

Aproximadamente cada duas horas, o cérebro envia um sinal

ao fígado para que libere certa quantidade de proxeronina.

Os diversos órgãos do corpo tiram da corrente sanguínea as

quantidades de proxeronina suficientes para produzir a xeronina

que eles requerem. Normalmente, as células contêm

quantidades suficientes dos demais compostos bioquímicos

requeridos para a síntese da xeronina, em geral só se verifica

escassez de proxeronina.

Tudo correrá bem a menos que aumente a demanda de xeronina

num órgão ou tecido. E qualquer grande estresse pode provocar

isto. Uma atividade celular anormal pré-cancerígena ou qualquer tipo

de problemas de saúde, inclusive os físicos e/ou emocionais, ou as toxinas

e infecções micóticas podem demandar por aumentos dramáticos

de xeronina. Quando isto ocorre, a demanda de xeronina aumenta consideravelmente.

Em geral, o fígado não possui suficiente extra proxeronina

para enviar às células doentes.

O tecido das células doentes contém abundante quantidade de

proxeronase e serotonina, o que lhes falta é a proxeronina. O Noni é

útil porque contém proxeronina em grandes quantidades.

 

XERONINA, SEROTONINA E DEPRESSÃO

 

Outra das qualidades curativas do Noni se deriva provavelmente

também da relação com a serotonina. O Noni é uma das 80 espécies

que pertencem à família de plantas medicinais mais benéficas, as Rubiáceas

do Velho Mundo, e entre as Rubiáceas é a espécie que possui a

maior capacidade de se amalgamar com a serotonina. Comecei a interessar-

me especialmente pelos receptores da xeronina e suas combinações,

durante meus anos de formação e ensino no Hospital e Faculdade

de Medicina Johns Hopkins. Tinha observado vários pacientes que tomaram

análogos da serotonina e mostraram melhoras na sua depressão

e/ ou enxaquecas, (Um análogo da serotonina é aquela substância

que atua no organismo como a serotonina). No entanto, muitos destes

pacientes também sofreram efeitos colaterais como náuseas, diarréia,

enjôo, ansiedade, reações alérgicas e inclusive arritmias, que são batidas

irregulares do coração.

O Dr. Heinicke informou que muita gente deprimida que tomou

Noni melhorou sensivelmente da depressão. Ele me relatou, confirmado

por vários clínicos, que o Noni ajudou a estabilizar a muita gente

com transtornos de ânimo, como depressão e hipermania (quando se

eleva exageradamente o estado de ânimo e como depressão quando

baixa). Também observou que o Noni ajudou muita gente a abandonar

vícios. Contou-me da mulher de um médico que tinha provado todos os

métodos imagináveis para deixar de fumar, falhando sempre. Depois

de tomar suco de Noni durante duas semanas conseguiu parar de fumar

e levou mais de um ano sem provar um cigarro. O Dr. Heinicke e

outros médicos também se referiram a muitas pessoas que puderam

deixar outras dependências como o álcool, cocaína, maconha e heroína,

quando acrescentaram o Noni ao seu tratamento psicoterapêutico, ou

seja, o que comumente conhecemos como sessões de divã.

Hoje, muitos cientistas acreditam que a serotonina é, de fato,

um componente utilizado na biosíntese do alcalóide denominado xeronina.

Da maior parte das 10.000 pessoas que utilizaram suplementos

de Noni, 92% sentiu um aumento considerável de energia, e 72% declararam-

se sentir mais alertas e mais dispostos que antes de tomar

Noni.

 

OUTRAS APLICAÇÕES DA XERONINA

 

A proxeronina, outro ingrediente do Noni, pertence a uma interessante

categoria de enzimas denominadas lisoenzimas. O Dr. Heinicke

isolou acidentalmente os cristais de lisoenzima do abacaxi em

1954, e quase não percebeu sua presença. Modificou então o procedimento

a fim de evitar que esses cristais continuassem a formar-se.

Sem saber, nesse momento, que tinha isolado a proxeronase.

Ao comentar a relação xeronina-Noni, simplifiquei um sistema

muito complexo dentro do qual se verificam muitas outras reações simultaneamente.

O Dr. Heinicke, no começo, proporcionou a base bioquímica

da relação Noni-xeronina. Agora, o Dr. Gerson nos ajudará

com a relação clínica Noni-xeronina. O Dr. Gerson postula que o Noni

ajuda clinicamente da maneira descrita na Tabela 2.

 

 

TABELA 2 : Condições clínicas para as quais o Noni pode ser

usado. (Nota: muitas delas se intepenetram).

 

Modera o excesso de secreção das membranas mucosas:

Exemplos representativos: Sinusite, asma, bronquite e corrimento nasal crônico.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina

 

Modera o incremento da produção de ácidos estomacais:

Exemplos representativos: Úlceras gástricas e duodenais, gastrite e refluxo esofágico

do ácido gástrico.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina

 

Doenças auto-imunes:

Exemplos representativos: Artrite reumática, psoríase, diabete melitus tipo 2, tiroidite,

doença de Crohn e lupus eritomatoso.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina, escopoletina, terpenos

 

Infecções:

Exemplos representativos: Herpes tipo 1 e 2, hepatite crônica,inflamação pélvica,

síndrome pos-viral, pancreatite, tiroidite viral, infecções produzidas por fungos, mofo

e levedura tais como pé de atleta, candidíase, afta e muitas outras infecções

micóticas (fungos).

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina, d-glucopyranosides

 

Desarranjo progressivo de tecidos específicos:

Exemplos representativos: Fibróides uterinos, arterioesclerose, diverticulite, verrugas,

falha na defesa contra as células malignas que podem provocar câncer.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina

 

Imuno-deficiência:

Exemplos representativos: Doenças viróticas como HIV e a de Epstein-Barr, candidíase

crônica, falta de energia vital e AES, que é uma resposta energética alterada

diante do manejo do estresse.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina, terpenos

 

Estados Alterados de Energia:

Exemplos representativos: Falta de energia vital e AES, que é uma resposta energética

alterada diante do manejo do estresse, descoberta resultante do trabalho do Dr.

Solomon no John Hopkins Hospital e o Instituto Nacional de Saúde.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina

Como já foi dito anteriormente, o Dr. Gerson levou a cabo ensaios

clínicos com pacientes que tomaram Noni e sofriam de hipertensão

arterial e outros com colesterol alto. O Noni mostrou um efeito positivo

ao diminuir a pressão arterial e os níveis de colesterol. Ele tinha

conhecimento de outros pacientes que o haviam obtido sucesso no

tratamento de cólicas menstruais, úlceras gástricas e diabetes. Uma

vez que descobriu que o Noni produzia os melhores resultados medicinais

dentre toda a família das Rubiáceas, ele documentou a ação das

Rubiáceas na ajuda a outros sistemas do organismo, entre os quais

estão os seguintes (Tabela 3) :

 

 

TABELA 3 : Sistemas orgânicos e problemas de saúde que responderam

positivamente ao tratamento com Noni (da família

das rubiáceas).

 

Aparelho digestivo:

Exemplos representativos: Diarréia, parasitas intestinais, enjôo e intoxicação com

alimentos.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina

 

Aparelho respiratório:

Exemplos representativos: Tosse, dor de garganta, tuberculose, cólera, resfriado

em crianças.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina

 

Sistema cardiovascular:

Exemplos representativos: Hipertensão, engrossamento do músculo cardíaco (hipertrofia

do ventrículo esquerdo).

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina, escopoletina

 

Inflamações:

Exemplos representativos: Artrite, tendinite e fibromialgia.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina, terpenos

 

Analgésico:

Exemplos representativos: Quase todos os tipos de dor.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina

 

Afecções cutâneas:

Exemplos representativos: Queimaduras, feridas, úlceras, abscessos, celulites, tinha

(ou porigem, infecção cutânea), furúnculos, feridas, (moléstias do couro cabeludo),

incluído caspa e coceiras.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina

 

Febre:

Exemplos representativos: A maioria dos estados febris, independentemente da sua

causa.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina

 

Outras afecções:

Exemplos representativos: Tumores, ossos quebrados, cirrose hepática, asma, disenteria

e células doentes por excesso de acidez.

Proposto Ingrediente Ativo: xeronina, escopoletina.

 

 

AÇÃO DA XEROTONINA LIVRE E DA PROXERONINA

NOS MÚSCULOS DO ESTÔMAGO.

 

 

Em 1973, época em que o Dr. Heinicke tinha desenvolvido uma

primeira teoria sobre o conceito do sistema de xeronina, ele comparou

a atividade da xeronina e da proxeronina sobre a motilidade gástrica,

ou do estômago Neste experimento colocou um pedaço de músculo

estomacal de rato num tensiômetro (aparelho para medir a pressão

muscular). Assim podia adicionar amostras que quisesse analisar ao o

fluxo constante da corrente de solução salina e nutriente.

Os resultados causaram sensação. No momento em que a corrente

de solução que continha xeronina alcançava o músculo, tanto a

freqüência como a regularidade das contrações dos músculos como

amplitude ou intensidade das contrações aumentava. Logo que retornava

para a solução salino padrão, a freqüência e a amplitude das

contrações voltavam à linha de base. Em comparação, nada acontecia

quando a corrente da solução que continha proxeronina chegava ao

músculo. Então, quase dois segundos depois, tanto a freqüência como

a amplitude das contrações aumentava na mesma proporção verificada

com a solução de xeronina. Ao mudar novamente para a solução salina,

tanto a freqüência como a amplitude das contrações mantinha-se

durante dois segundos antes de voltar à linha de base. O experimento

foi repetido muitas vezes com idênticos resultados.

Estes enunciados sugerem que a xeronina provoca uma resposta

muscular imediata enquanto a proxeronina tem primeiro que se

difundir na massa amostra do músculo para então ser convertida em

xeronina, e assim provocar o efeito.

Todos os componentes do sistema da xeronina encontram-se no

Noni, e o Dr. Heinicke acredita que a proxeronina do Noni é o fator

principal que ajuda ao corpo a sarar por si mesmo. Funciona fornecendo

ao organismo abundante quantidade de proxeronina, que logo

pode ser sintetizada no alcalóide denominado xeronina.

Além disso, ele considera que o alcalóide xeronina se situa num

receptor celular que se encontra adjacente ao lugar onde a beta-endorfina

é acumulada. Em conseqüência, a maioria das pessoas se sente

melhor.

Nosso estudo de mais de 10.000 pessoas que usam Noni revelou

que 80 por cento declarou sentir maior sensação de bem-estar depois

de tomar o Noni. Não causa surpresa que aqueles com problemas

de saúde precisem mais proxeronina e, por conseguinte, consumam

mais quantidades de Noni.

Até agora, mais de 150 nutracêuticos foram isolados e identificados

no Noni. A tabela 4 mostra alguns dos mais importantes.

 

TABELA 4 : Nutracêuticos identificados no Noni.

 

Xeronina Metionina Ferro

Clororrubina Nodamnacantal Glicina

Escopoletina Alanina Sitosterol

Asperulosido Proteína Triptofano

Proxeronina Isoleucina Fosfato

Precursores da Serotonina Antraquinonas Glutamato

Morindadiol Arginina Glicosidos

Vitaminas Sódio Valina

Proxeronase Leucina Carboidratos

Traços de elementos Carotenóides Tirosina

Rubiadina Aspartato Alisarina

Alcalóides Bioflavonóides Histadina

Serotonina Lisina Acetim Gluco P

Enzimas Morindina Prolina

Magnésio Cistina Ácido Ursólico

Cofatores Morindona Serina

Damnacantal Felilalanina Ácido capróico

Ativadores de múltiplos receptores Terpeno Ácido caprílico

Carbonato Cisteína Glucopiranoso

Esteróis Vegetais

Treonina

 

 

Quanto de Suco de Noni deve-se tomar ?

 

Na tabela 5 aparecem as doses de Noni recomendadas: para

teste, doses de ataque (saturação das células hepáticas), dose terapêutica,

dose de manutenção e/ ou preventiva, em mililitros (ml´s),

para adultos e crianças.

Animais com menos de 45 quilos devem receber dose de criança,

enquanto aqueles que pensam acima de 45 quilos devem ser

tratados com dose de teste de 30 ml de chá de suco de Noni ao dia,

durante três dias. Praticamente todos os que adotam a dose de ataque

(mais de 99 por cento) não apenas a toleram como também dela se

beneficiam. Contudo, menos de um por cento daqueles que a usam

chegaram a ter uma reação alérgica. Caso você desenvolva uma reação

na pele, urticária, sinta-se ofegante, ou inchaço no pescoço ou face,

interrompa imediatamente o uso do Noni e procure ajuda médica.

Nesse caso, você pode estar no grupo daqueles que são alérgicos ao

Noni.

Em princípio, segundo o Dr. Heinicke, não há necessidade ajustar

as dosagens para o uso humano conforme o peso, pois a proxeronina

contida no suco de Noni é armazenada no fígado. Todavia, em

nossa pesquisa com mais de 10.000 usuários de Noni, melhores resultados

foram obtidos quando uma dose adicional de 30ml foi adicionada

para cada 22,5 quilos acima de 112,5 quilos. É ideal se tomar Noni

meia hora antes do café da manhã e meia hora antes do jantar.

A hora em que se toma o suco não é tão significativa quanto toma-lo,

não importa a hora. O Dr. Heinicke pesquisou resultados com a mistura

natural do purê extraído do fruto Noni e outros sucos especialmente

combinados. Entretanto, a mistura final, de sucesso, foi a específica

encontrada pelos cientistas de alimentação, Stephen Story e John

Wadsworth, que gerou sabor e aroma agradáveis, pela combinação do

purê do fruto Noni (89%) e dos sucos de uva e vicínio (ou blueberry –

amora azul) em 11%.

Para alcançar os melhores resultados com o Noni, primeiro é

necessário saturar o fígado com o Noni; a isto denominamos “dose de

carga”.

O Noni faz efeito positivo rapidamente em muita gente, sendo

que na maioria os resultados se observam em dias ou semanas. No

entanto, para se obter um benefício amplo e efetivo, é necessário comprometer-

se a tomar Noni durante seis meses. Case se note que durante

o segundo mês ainda não esteja ocorrendo melhora, acrescente

15 ml de suco de Noni a sua dose diária, durante sete dias, dividindo a

dosagem total em três, ou seja, manhã, meio-dia, e noite. Aumente a

dosagem total em 15 ml a cada sete dias, até que os resultados desejados

sejam obtidos. Em caso de afecções viróticas graves como o câncer,

HIV, falta de energia vital e AES. Que é uma resposta energética

alterada diante do enfrentamento do estresse, pode-se beber uma

garrafa ou mais de Suco de Noni ao dia (muitos poucos necessitam

mais do que isso). O Noni pode ser tomado conjuntamente com quaisquer

medicamentos, suplementos nutritivos ou procedimentos médicos.

As mulheres grávidas e/ou período de lactância podem tomar

Noni. Antes de começar a tomar Noni ou qualquer suplemento nutritivo

do Noni deve-ser sempre consultar um médico e/ou um profissional da

saúde.

 

 

TABELA 5: Doses de Noni para teste, ataque, terapêutica e manutenção,

para uso pessoal e em animais (para animais acima

de 45 quilos usa-se dose de adulto; para animais com menos de

45 quilos, usa-se dose de criança).

 

Dose de Teste : 3 dias ml de suco de Noni

Adulto (maior de 16 anos)

• antes do café da manhã 30

• antes do jantar 30

Criança (menor de 16 anos)

• antes do jantar 30

OBS.: Tomar meia hora antes das refeições

 

Dose de Ataque : 1º Mês ml de suco de Noni

Adulto (maior de 16 anos)

• antes do café da manhã 60

• antes do jantar 60

Criança (menor de 16 anos)

• antes do café da manhã 30

• antes do jantar 30

 

Dose Terapêutica, Manutenção e Prevenção : 2º ao

6º Mês

ml de suco de Noni

Adulto (maior de 16 anos)

• antes do café da manhã 60

• antes do jantar 30

Criança (menor de 16 anos)

• antes do café da manhã 30

• antes do jantar 15

 

 

Resumo

 

Em entrevistas realizadas com mais de 50 médicos e outros

profissionais de saúde que tinham tratado a mais de 10.000 pessoas

com o suplemento nutritivo Noni, encontramos que a maioria dos pacientes

tinha obtido resultados favoráveis das suas afecções específicas.

Os médicos e outros profissionais da saúde entrevistados afirmaram

que o Noni ajudou em 78 por cento daqueles que o tomaram

para uma ou mais enfermidades.

Os efeitos colaterais que se verificaram nesta entrevista foram

mínimos. Menos de 3 por cento de gases estomacais, fezes soltas, ou

alergia ao Noni, com erupção cutânea leve. Os gases e as fezes soltas

regularizaram-se ao diminuir a dose a erupção cutânea aliviou-se em

72 horas depois de deixar de ingerir o Noni.

Comprovou-se que o Noni é seguro para as mulheres em período

de gestação e/ou de lactância. O Noni pode ser tomado com

qualquer medicamento ou suplemento nutritivo. Não se verificaram

interações negativas. Em alguns casos o Noni pode fazer com que outros

medicamentos atuem com maior eficácia. É conveniente levar ao

conhecimento do seu médico que você está tomando Noni, pois talvez

ele queira diminuir a dose da medicação que nos prescreveu. Os efeitos

colaterais dos outros medicamentos freqüentemente se reduzem

quando se está tomando Noni.

Os profissionais da saúde compartilharam comigo sobre suas

experiências sobre o nível de dosagem que se mostrou mais eficaz na

maioria das 7.800 pessoas dentre as 10.000 cujo principal problema

respondeu positivamente ao tratamento com o Noni. A maior parte das

pessoas que usaram Noni sem obter bons resultados foi em razão de

não o terem tomado por tempo suficiente ou porque a dose não foi

suficientemente alta. Para a maioria das pessoas e animais saudáveis,

o Noni é um bom suplemento alimentar preventivo.

Os resultados sugerem claramente que o Dr. Ralph Heinicke

descobriu um novo alcalóide chamado xeronina, que atua como importante

modificador de uma ou mais das proteínas e enzimas do organismo.

O Dr. Heinicke considera que o Noni contém os elementos fundamentais

necessários para produzir xeronina. As pessoas sãs, em

geral, possuem a quantidade necessária de todos os demais componentes

do Noni, salvo a proxeronina, que com freqüência se encontra

presente em exíguas quantidades.

A falta de proxeronina em nosso organismo poderia conduzir a

uma grande variedade de problemas de saúde ou mesmo agravá-los,

incluindo alguns tipos de câncer, problemas dos vasos capilares,

transtornos mentais, problemas digestivos, doenças crônicas, e muitas

outras. Freqüentemente me questionam: “Quem deveria tomar Noni e

por que motivo?” Em essência, minha reposta àquela pergunta é a seguinte:

Noni é um maravilhoso agente preventivo e medicinal que praticamente

todos podem tomar, para quase qualquer caso, e qualquer

momento. Este livro é para ajuda-lo a valorizar e usar o Noni corretamente.

UMA VEZ QUE VOCÊ O FAÇA, VERÁ COMO O “TAHITIAN

NONI®” PODE FAZER UMA DIFERENÇA NOTÁVEL EM SUA VIDA.

 

 

Agradecimentos

 

Gostaria de agradecer o Dr. Heinicke, um cientista à frente do

seu tempo que teorizou o “sistema xeronina” e sua conexão com o

Noni; e também a Drª. Anne Hirazumi, que auxiliou a delinear a conexão

do Noni como anticancerígeno em sua tese de Ph.D.

Também gostaria de agradecer ao grande número de usuários

do Noni que gentilmente compartilharam comigo suas “Histórias sobre

o Noni”, bem como os seguintes profissionais da saúde que generosamente

compartilham com seu conhecimento, informações e experiências:

Dr. Allan Bailey, Canada Bryant Bloss, M.D., Indiana

Dr. Anne Hirazumi, Hawaii Dr. Richard T. Dicks, Nova Jersey

Frank Elaty, M.D., Florida Scott Gerson, M.D., Maryland

Steven Hall, M.D., Washington Mona Harrison, M.D., Nova York

Dr. Ralph Heinicke, Kentucky Dr. Samual Kolodney, Pennsylvania

Dr. Jim Marcoux, Michigan Dr. Williamn. T. Meier, Florida

Dr. Lois H. Rezler, California Dr. Nelson T. Rivers, Indiana

Dr. Rick T. Smith, Florida Gary Tran, D.V.M., Kentucky

Dr. Alan Newman, Florida Dra. Louise Morin, Pennsylvania

Dr. Stephen Schechter, California Dr. Rick M. Smith, Florida

Dr. Delbert Hatton, California

 

 

Referências bibliográficas

 

Abbott, L.A., (1992) La’ au Hawaii: Traditional Hawaiian Users of Plants, Bishop

Museum Press, Honolulu, Hawaii, 3:97-199.

Abbott, I and Shimazu, C., (1985) The Geographic Origin of the Plants Most

Commonly Used for Medicine by Hawaiians, Journal of Ethno Pharmacology,

14:213-22.

Bushnell, O.A., Fukuda, M., Makinodan, T., (1950) The Antibacterial Properties

of Some Plants Found in Hawaii, Pacific Science, 3:186-187.

Bushnell, O.A., Fukuda, M., Makinodan, T., (1950) The Antibacterial Properties

of Some Plants Found in Hawaii, Pacific Science, 4:167-183.

Cox, Paul Alan, Polynesian Herbal Medicine In P.A. Coxeronine and S.A. Banack

[eds], Island, Plants, and Polynesian, Portland: Dioscorides Press, 1991.

Ditmar, Alexandre, (1993) Morinda Citrifolia L., Use indigenous Samon Medicines.

Journal of Herbs, Spices and Medical Plants, Vol 1 (3), 1993.

Elliott, S. and Brimacombe, J., (1987) The Medicinal Plants of Cunnung leuser

National Park, Indonesia. Journal of Ethno Pharmacology, 19:285-317. Elsevier

Scientific Publisher Ireland, Ltd.

Ganal, C. and Hokama, Y. the Effect of Noni Fruit Extract (Morinda Citrifolia,

Indian Mulberry) on Thymocytes of BALB/c Mouse (Meeting Abstact). Nutrition

and Cancer, Vol II. Dept. of Pathology, John A. Burns School of

Medicine, University of Hawaii, 4999-5002.

Guest, P.L., (1938) Samoan Trees, Appendix E. Mimeogr. The Museum, Honolulu,

Hawaii. Frm Uhe 1974.24.

Hawaii Medical Journal, (1966) Evaluation of the Effectiveness of Ancient Hawaiian

Medicine.

Health New, Vol. 4 No. 2. triple R. Publishing, Inc.

Healthy Matters, Vol 4 No. 2, 1-4. Ryder Thompson Enterprises.

Healthy Pet, Vol. 5 No. 1, 1-4. Ryder Thompson Enterprises.

Heinicke, Doctor R. M., The Pharmacological Active Ingredient of Noni, Bulletin

of thr national Tropical Botanical Garden, 1985.

Hiramatsu, Tomonori: Omoto, Masaya; Hoyano, Takaski; Umezawa, Hazuo,

Induction of Normal Phenotypes in Ras-Transformed Cells by Damnacanthal

From Morinda Citrifolia, Center Letter, Vol. 73, 1993.

Hirazumi, A., (1992) Antitumor Active of Morinda Citrifolia on IP Implanted

Lewis Lung Carcinoma im Mice. Proceedings Annual Meeting of The American

Association for Cancer Research, 33:515.

Hirazumi, A., Furusawa, E., Chou, S.C., Hokama, Y: Anticancer Activity of

Morinda Citrifolia (Noni) on Intraperitoneally Implanted Lewis Lung Carcinoma

in Syngeneic Mice. Proc. West Pharmacological Society, 37, 1994.

Hulbert, Dr. Richard, Personal Communication, December, 1997 Boise, ID.

Krauss, B., (1993) Plants in Hawaiian Culture, University of Hawaii Press,

Honolulu, Hawaii, 103-252.

Levand, Oscar, Some Chemical Constituents of Morinda Citrifolia in Unpublished

Doctoral Dissertation from the University of Hawaii, 1963.

McCuddin, CH. R., (1974) Samoan Medicinal Plants and Their Usage.

Departament of Medical Services, Government of American Samoa, Pago

American Samoan.

McPherson, C. and McPherson, L., (1990) Samoan Medical Belief and Practice.

Auckland University Press, Auckland.

Moorthy, N.K., Reddy G.S., Antiseptic, Vol. 56, 1990

Morton, Julia F., The Ocean-Going Noni, or Indian Mulberry and Some of Its

Colorful Relatives, Economic Botany, Vol. 43(3), 1992.

Neal, M., (1965) In Gardens of Hawaii. Bishop Museum Press, Honolulu, Hawaii,

804.

Noni, Polynesia’s Natural Pharmacy. (1997) Pride Publishing Vineyard, VT.

Powell, T., (1868) On Various Samoan Plants and Their Vernacular Names, Br.

Foreign J. Bot., 278-285, 342-347, 355-370.

Russia, K. and Sriivastava, S.K., (1987) Antimicrobial Activity of Some Indian

Medicinaç Plants. Indian Journal of Pharmacological Science, Jan-Feb: 57-

58.

Schechter, Dr. Steven, Hawaii Miracle Fruit, Noni Fruit Talbe, September, 1997

Schechter, Dr. Steven, Noni Booklet, September 23, 1997. Encinitas, CA.

Schechter, Dr. Steven, Personal Communication, November-December, 1997.

Sim, Helen, The Isolation and Characterization of Fluorescent Compound From

the Fruit for Morinda Citrifolia (Noni): Studies on the 5-ht receptor System.

Unpublished Master’s Thesis from the University of Hawaii at Monoa, 1993

Singh, Y., Ikahihifo, T., Panuve, Slatter, C., (1984) Folk Medicine in Tonga. A

study on the use of Herbal Medicines for Obstetric and Gynecological Conditions

and Disorders. Journal of Ethno Pharmacology, 12:305-325.

Solomon, N., and M. Lipton: Sick & Tired of Being Sick & Tired. New York,

Wydwood Press, April 1989.

Tabrah, F.L. anda Eveleth, B.M., Evaluation of the Effectiveness of Ancient Hawaiian

Medicine. Hawaiian Medical Journal, 25 1966.

TenBruggencate, Jan: Native Plants Can Heal Your Wounds. Honolulu Star Bulletin

& Advertiser, Honolulu, Hawaii, Fev. 9, 1992.

Whistler, W., (1992) Tongan Gerval Medicine. Isle Botanical, Honolulu, Hawaii,

89-90.

Whistler, W.A., (1985) Traditional and herbal Medicine in the Cook Islands.

Journal of Ethno Pharmacology, 13:239-280.

Young, Robert O., Profiles in Microbiology, self-published, Utah, 1997.

Younos, Chafique: Rolland, Alain: Fleurentin, Jacques: Lanhers, Marie-Claire;

Misslin, Rene; Mortier, Fransois. Analgesic and Behavioral Effects on

Morinda Citrifolia. Planta Med Vol. 56, 1990

 

 

Palavras sobre o autor

 

O Dr. Neil Solomon, M.D., Ph. Dr., é um reconhecido líder em

nutrição médica e nutracêuticos. Formado pela Faculdade de Medicina

da Universidade da Reserva de Case-Western com honras Alfa Omega

Alfa, posteriormente realizou estágio e prática de residente no departamento

de Medicina Interna do famoso Serviço Médico Osler do Hospital

Johns Hopkins. Tem o Diploma do Conselho Nacional de Examinadores

Médicos.

Durante sua permanência nas Instituições médicas de Johns

Hopkins, o Dr. Solomon recebeu o cobiçado premio Schwentkner pela

excelência em pesquisa. Ao terminar sua formação médica clínica em

Johns Hopkins, o Dr. Solomon obteve doutorado em Fisiologia, na Faculdade

de Medicina da Universidade de Maryland. Enquanto servia

como Capitão-Tenente no Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos,

levou a cabo pesquisas sobre o envelhecimento com o Dr. Nathan

Schock no Instituto Nacional de Doenças do Coração dos Institutos Nacionais

da Saúde.

Ocupou cargos como membro do corpo docente de algumas das

universidades de mais prestígio do país, inclusive a Faculdade de Medicina

Johns Hopkins e a Faculdade de Medicina da Universidade de

Maryland.

O Dr. Solomon também tem participado de muitos programas

de entrevistas e diálogo da rádio e televisão nacionais, transmitiu diariamente

comentários médicos na CNN-TV, e durante 18 anos escreveu

uma coluna de difusão mundial sobre conselhos de saúde para a agência

jornalística Los Angeles Times.

O Dr. Solomon é um famoso autor de ampla verba, incluindo a

lista de mais vendidos do New York Times, orador internacional, e tem

sido requerido como articulista de numerosas revistas nacionais e de

Seleções.

Durante mais de 10 anos atuou como Diretor de Saúde e Higiene

Mental do Estado de Maryland. O Dr. Solomon presidiu quatro

comissões governamentais e foi assessor de saúde de presidentes e

governadores.

Em 1993, o Dr. Solomon teve uma mudança na sua carreira ao

deixar a prática da medicina para dedicar-se à informação ao consumidor

em matéria de nutrição preventiva através de mais pesquisa, escrevendo,

lendo e como conselheiro de corporações internacionais

como as Nações Unidas e a Organização Mundial da Saúde. Na atualidade,

preside o Centro de Saúde, Educação e Ciências do Conselho

Internacional de Centros de Assistência, ao mesmo tempo em que integra

como membro o Conselho de Investigações Científicas e de

Saúde da Comissão Coordenadora de Comunicações das Nações Unidas.

O Dr. Solomon é casado, tem esposa e três filhos.

 

 

Considerações adicionais

 

Radicais Livres – o que são ?

São átomos, íons, moléculas ou substâncias altamente tóxicas

ao organismo, formadas a partir do oxigênio, tendo um número ímpar

de elétrons na sua órbita externa, isto é, possuem um elétron não pareado

na sua órbita. São altamente reativos e instáveis, capazes de

grandes alterações químicas num espaço de tempo muito curto. Por

outro lado, são indispensáveis para determinados processos fisiológicos

no organismo. O dano celular causado pelos radicais livres acontece

porque eles reagem inespecificamente com todos os componentes celulares.

Assim, conforme o local e a quantidade, resultarão diferentes

tipos de alterações químicas que provocam a destruição de determinadas

estruturas e funções celulares, promovendo o envelhecimento e

diversas patologias.

A ação deletéria dos radicais livres é controlada pelo sistema de

defesa do organismo, pelos agentes anti-oxidantes, impedindo o estresse

oxidativo e o conseqüente dano tecidual.

Em 1954, o médico e químico, Dr. Denham Harman concluiu,

após anos de pesquisa, que os radicais livres são a causa básica do

envelhecimento e que, a sua ação no organismo pode ser modificada

por fatores genéticos e ambientais. Vários estudos posteriores demonstraram

o efeito dos radicais livres em diversas doenças como o

câncer, diabetes, asma, depressão, doenças reumatológicas e as doenças

cardiovasculares. Os radicais livres são formados na mitocôndria,

que pode ser considerada o motor das células. Esse elétron não pareado

é extremamente instável e, na busca da estabilidade, “rouba”

um elétron de outro átomo. Cada vez que uma proteína ou um lipídeo

perde um elétron, sofrem modificações irreversíveis na forma e na função

e, por haver perdido um elétron, tornam-se um novo radical livre,

criando uma verdadeira reação em cadeia. Os radicais livres não neutralizados

pelas substâncias anti-oxidantes causam danos ao organismo.

Várias condições causam aumento dos radicais livres: cigarro

(100 mil novos radicais livres por tragada), drogas, álcool, infecções,

asma, câncer, diabetes, hipoglicemia, hipertensão arterial, exercício

intenso em pessoas sem condicionamento físico apropriado, stress

profissional, escolar ou familiar, alimentação inadequada, poluição

ambiental, radiações solares, etc. A ingestão adequada de minerais,

vitaminas que atuam no sistema anti-oxidante do organismo e mais o

TAHITIAN NONI®, contribuem para que os radicais livres permaneçam

dentro dos limites fisiológicos não causando danos (envelhecimento e

patologia) ao organismo.

 

 

Cosméticos Anti-Oxidantes

 

Os radicais livres são responsáveis pelo surgimento de rugas,

flacidez e perda da vitalidade da pelo. Hoje, todas as indústrias do

segmento de cosméticos oferecem linhas de tratamento visando a renovação

celular. Os produtos cosméticos geralmente apresentam, em

sua formulação, glutation, vitaminas A e E, lecitina vegetal, alfa-hidroxiácidos

e ceramidas. Agem na pele promovendo a descamação das

células mortas, permitindo um “turn-over” mais rápido, com reposição

de células novas. Conseqüentemente, promovem a redução da coesão

na camada córnea da pele.

Um creme de tratamento contém ingredientes ativos que possuem

ações específicas na prevenção, no controle e no combate ao

envelhecimento da pele.

Num primeiro momento, o tratamento age na camada da epiderme,

onde ficam as células mortas. Ativos como os AHAs (alfa-hidroxiácidos)

provocam uma microesfoliação imperceptível, removendo as

células mortas e tornando a camada córnea mais fina. Isto torna as

linhas de expressão menos evidentes e facilita a renovação por cima.

Esta microesfoliação permite aos outros ativos penetrarem nas

camadas mais profundas da pele. Estes ativos vão estimular a formação

das fibras de sustentação da pele, melhorar a circulação sanguínea,

nutrir, hidratar e combater os radicais livres.

Além disso, é muito importante proteger a pele todos os dias da

ação dos raios solares UVA (ultravioleta) e UVB (ultravioleta B) que

causam a formação dos radicais livres.

 

 

O SUCO “TAHITIAN NONI®” VEIO PREENCHER ESTA LACUNA NO

ENFRENTAMENTO DOS RADICAIS LIVRES. PELO SEU AMPLO ESPECTRO

DE AÇÃO NATURAL “DE DENTRO PARA FORA”, É CONSIDERADO

NOTÁVEL COMO REJUVENESCEDOR !

 

 

DE QUE TRATA ESTE LIVRO

 

Neste livro, o famoso Dr. Neil Solomon relata

como o “TAHITIAN NONI®”, esse fruto milagroso,

surgiu no cenário médico ocidental, demonstrando

suas poderosas qualidades terapêuticas em

transtornos como a hipertensão, dor crônica e a

disfunção imunológica. Nestas páginas você encontrará

valiosa informação quanto aos benefícios

do Noni para a Saúde Integral e o estímulo para a

Longevidade.

Médico diplomado de Johns Hopkins, M.D.,

Ph.D., é um reconhecido líder em nutrição médica

e nutracêuticos. A sua ampla experiência compreende

ter sido ganhador do prêmio Schwentkner

por excelência em pesquisas; professor das Faculdades

de Medicina de Johns Hopkins e da Universidade

de Maryland, colunista sobre Saúde pra a

agência jornalística Los Angeles Times e outros

mais. O Dr. Solomon foi Diretor de Saúde e Higiene

 

Mental do Estado de Maryland.

 

Fonte:  https://brasilianoni.blogspot.com/2010/10/noni-o-fruto-sagrado-da-polinesia.html